Post do Objethos analisa cobertura sobre saída de cubanos do Mais Médicos

O programa Mais Médicos, criado em 2013 durante o governo Dilma, tinha como objetivo a contratação de profissionais para atuar em áreas que tinham carência de atendimento médico. No começo desse mês, Cuba anunciou sua saída do programa, que contava com oito mil profissionais, em razão das declarações polêmicas de Jair Bolsonaro, que falou em exigir, por exemplo, teste de capacidade para eles.

A agenda midiática é o tema do texto da jornalista Siliana Dalla Costa para o site objETHOS. Em “O agendamento midiático e a saída de Cuba do programa Mais Médicos” ela analisa as notícias divulgadas por portais online sobre a saída dos médicos cubanos, e fala sobre o desafio do jornalista, em tempos de notícias instantâneas, de divulgar informações com profundidade e relevância, competindo com as redes sociais que falam diretamente com o público — nesse caso, as redes do presidente eleito Jair Bolsonaro.

 Médicos cubanos desembarcam no aeroporto internacional de Cumbica, em Guarulhos (SP). (Foto: Moacyr Lopes Junior/Folhapress)

  

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *