Literatura engessada: representação e representatividade em obras brasileiras

O Grupo de Estudos em Literatura Brasileira Contemporânea, da Universidade de Brasília, apresenta resultados de um estudo inédito sobre o perfil do romancista brasileiro, que vem sendo desenvolvido nos últimos quinze anos e compreende um total de 692 obras publicadas desde a década 1960. Coordenada pela professora Regina Dalcastagné, a pesquisa revela que não apenas os autores, mas narradores, protagonistas e coadjuvantes dos romances analisados são em sua maioria homens, brancos, de classe média, nascidos no eixo Rio-São Paulo. Em entrevista à Revista Cult, Dalcastagné reforça a importância da representatividade no campo, da pluralização de vozes na literatura e do exercício da alteridade na escrita. Confira a reportagem completa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *