Dossiê

Mídia e Violência contra a mulher

Em uma sociedade estruturada em raízes patriarcais e consequentemente misóginas, no contexto conservador que usurpa a política nacional, ainda e infelizmente há a presença massiva de uma das opressões mais antigas: a violência contra a mulher. No momento em que se discutem a necessidade e a urgência de visibilidade para as mulheres, o dossiê deste semestre apresenta três materiais feitos por e sobre elas. Passando pela influência da mídia no caso Eloá, pela realidade da delegacia de defesa da mulher, e entrando também na vivência daquelas que estão encarceradas, o dossiê procura entender, apontar e refletir as nuances e relações da mídia com a massacrante e alarmante violência contra a mulher. Textos de Livia Perez e Juliana Gusman. Entrevista com Danúbia Quadros.

Acesse o dossiê em:

http://ccm.fca.pucminas.br/midia-e-violencia-contra-a-mulher/

A sobrevivência da TV aberta

Convivendo e se articulando com as redes digitais e outras formas de distribuição audiovisual, a televisão aberta permanece, no Brasil, em grande parte, um sistema majoritário de comunicação, de importância cultural, social, política e econômica. Por meio da análise de programas ou de visada mais ampla acerca do enredamento da televisão na sociedade brasileira, este dossiê oferece uma contribuição para se pensar esse meio — hoje — suas propostas estéticas, a demanda por formas de regulação e por uma TV verdadeiramente pública, o humor e o cinismo em suas narrativas. Textos de Felipe Muanis, Paula Simões e Gaudio Bassoli, Carla Doyle, Julia Lery.

Acesse o Dossiê em:

https://ccm.fca.pucminas.br/precisamos-falar-sobre-tv-abertamente/

002

Foto: Laysa Viegas